ETANOL

Cepea destaca recuperação do Etanol em 2016

Produção de etanol já chega a 26,6 bilhões de litros desde abril até a primeira metade de dezembro de 2015

Foto: EFE/ Marcelo Sayão

O centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP (Cepea) destacou nesta quinta-feira o “cenário um pouco mais positivo” para o setor de Cana e Etanol ao longo de 2016 com uma gradativa retomada da rentabildiade do setor.

De acordo com o Centro de Estudos, o possível aumento da Cide (imposto que incide sobre a gasolina) acima dos atuais R$ 0,10 por litro pode dar reforço à competitividade do biocombustível, recuperada ao longo de 2015 após alguns anos amargando prejuízos por altas sucessivas no custo de produção e baixa de preços.

Além disso, o Cepea destaca ainda a priorizaçãod as usinas para a produção de etanol em detrimento do açúcar, que deve se manter em 2016, e ressalta que “é preciso planejamento ao longo da safra para manter a cadeia sustentável”.

A moagem de cana-de-açúcar para a safra de 2016/2017 está estimada em 615 milhões e 630 milhões de toneladas segundo números citados pelo Cepea, aumento de até 5% em relação à safra passada.

Quanto à produção de etanol, o volume já chega a 26,6 bilhões de litros desde abril até a primeira metade de dezembro, 3,4% a mais que o mesmo período de 2014.

Ainda segundo o Cepea, o mercado externo também deve favorecer a recuperação do setor sucroenergético, com aumento na demanda norte americana após anúncio recente do país de uma nova regulamentação que estabelece a adição de 68,5 bilhões de litros de combustíveis renováveis à gasolina vendida em território estadounidense.

Açúcar

Com isso, a safra mais alcooleira deve pressionar os preços do açúcar no mercado interno, somado a uma menor produção entre os principais competidores do Brasil como China, Índia e União Europeia.

No caso da Índia, o Cepea lembra que os efeitos do El Niño geraram perdas n as principais regiões produtoras enquanto que os preços em baixa em 2015 desentimularam o plantio de beterraba entre os produtores europeus.

Já no Brasil, o fenômeno climático tem causado maiores volumes de chuvas, que deve favorecer o cultivo no Centro-Sul do país.

“Consultorias têm indicado que, em face da expectativa de aumento da produção na região Centro-Sul, algumas usinas já teriam, em dezembro, fixado os preços de um volume maior de açúcar que em mesmo período do ano passado”, destacou, em nota, o Cepea.

Marcados com: , , ,
Publicado em Agricultura

Twitter: efeagrobrasil