GRIPE AVIÁRIA

Coreia do Sul sacrificará 197 mil frangos após novo caso de gripe aviária

Além de sacrificar aves, o Governo da Coreia do Sul irá inspecionar as instalações situadas em um raio de três quilômetros do epicentro da cidade de Pocheon

EFE/Ali Ali

O Governo da Coreia do Sul decidiu nesta quarta-feira sacrificar os 197 mil frangos de uma fazenda próxima a Seul após detectar um novo caso de gripe aviária que levou a impor também uma proibição temporária de 48 horas ao transporte avícola no norte do país.

As instalações afetadas de Pocheon, cerca de 45 quilômetros ao norte de Seul, registraram a morte de 30 aves desde terça-feira e um exame preliminar testou positivo para gripe aviária, segundo comunicou o Ministério de Agricultura, que tenta determinar se trata-se de uma cepa altamente patogênica que já está afetado o sudoeste do país.

Para prevenir a propagação do vírus, o Governo sul-coreano decidiu sacrificar todas as aves da fazenda e inspecionar as instalações situadas em um raio de três quilômetros.

Este último caso de gripe aviária, o primeiro que ocorre na província setentrional de Gyeonggi, gerou alarme de quarentena entre as autoridades, que lutam para conter a expansão da cepa H5N6 no sudoeste do país desde novembro.

Na província de Jeolla, uma das mais afetadas na Coreia do Sul, o Governo confirmou hoje nove fazendas infectadas pela cepa.

Em três delas foram sacrificadas 36,7 mil aves e estão sendo feitas desinfecções em instalações de toda a região, uma importante zona de produção avícola.

Um dos últimos casos envolveu o sacrifício de 201 mil patos no final de dezembro por conta da cepa H5N6 na zona.