EXPORTAÇÃO

Entidade brasileira quer evitar bloqueio da exportação de gado vivo

Nesta segunda (5), a Confederação protocolou pedido de assistência na Justiça Federal de São Paulo para fazer parte da ação que determinou na sexta (2) a suspensão das exportações de gado vivo em todo o território nacional.

Foto: EFE/LEONARDO MUÑOZ

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) quer impedir o bloqueio de novos embarques de gado vivo no país para evitar prejuízos aos pecuaristas brasileiros.

Nesta segunda (5), a Confederação protocolou pedido de assistência na Justiça Federal de São Paulo para fazer parte da ação que determinou na sexta (2) a suspensão das exportações de gado vivo em todo o território nacional.

No domingo (4), o Tribunal Regional Federal da 3º Região (TRF-3) acatou liminar da Advocacia Geral da União (AGU) para liberar o embarque de um navio com animais vivos pelo Porto de Santos (SP) com destino à Turquia, principal comprador de gado vivo do Brasil.

Contudo, como a liberação foi pontual, segue mantido o impedimento à exportação de animais vivos para abate no exterior em todo o território nacional.

A Confederação divulgou em nota que considera inaceitável que todo o setor seja prejudicado por uma decisão que desconsidera o trabalho feito pelos auditores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), órgão que regulamenta a exportação de animais vivos e que tem competência para assegurar a sanidade e bem-estar dos animais.

Para tanto, a entidade reforçou dados das exportações brasileiras de gados vivos, exceto reprodutores, com crescimento de mais de 40% em 2017 na comparação com 2016, atingindo receita de US$ 269,57 milhões, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Hoje, a exportação de gado vivo é uma atividade consolidada mundialmente. México, União Europeia, Austrália e Canadá são grandes exportadores de gado vivo, atendendo principalmente mercados que têm restrições religiosas quanto ao abate dos animais. Ainda assim, outras organizações ambientalistas e de proteção aos animais consideram que a exportação do gado vivo deve ser paralisada.

No Brasil, a exportação de bovinos é regulamentada por uma série de atos normativos, que abordam os procedimentos básicos para a preparação de animais vivos para a exportação e passam por fiscalização dos auditores fiscais agropecuários do MAPA.

Quanto à preparação de animais vivos para a exportação, a CNA defendeu que os aspectos relacionados ao bem-estar animal consideram as recomendações da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), demonstrando que o Brasil está em acordo com as normas sanitárias estabelecidas pela OIE para seus 181 países membros.

Marcados com: , ,
Publicado em Pecuária

Twitter: efeagrobrasil