LATICÍNIOS

México suspende a importação de laticínios colombianos por febre aftosa

Em um comunicado, a Sagarpa apontou que um dos focos desta doença está no departamento de Cundinamarca.

Foto: EFE/Michael Reynolds

México suspendeu a importação de produtos lácteos da Colômbia devido à detecção de focos de febre aftosa nesse país, informou hoje a Secretaria de Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento Rural, Pesca e Alimentação (Sagarpa).

O Serviço Nacional de Saúde, Inocuidade e Qualidade Agro-alimentar (Senasica) determinou “suspender o comércio de produtos lácteos processados originários e procedentes desse país”, depois que a Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE) retirou da Colômbia o selo de zona livre de febre aftosa.

Em um comunicado, a Sagarpa apontou que um dos focos desta doença está no departamento de Cundinamarca, onde ficam seis unidades processadoras de laticínios autorizados para exportar os seus produtos ao México.

Não obstante, a instituição precisou que durante os anos de 2016 e 2017, estas plantas “não comercializaram este tipo de insumos” ao México.

O organismo decidiu tomar estas medidas “de acordo com os regulamentos nacionais e internacionais” encaminhadas a prevenir pragas e doenças exóticas “que pudessem pôr em risco a produção de alimentos” no país, argumentou a Sagarpa.

A restrição que atinge aos produtos lácteos se soma a outra interposta por Senasica no último dia 25 de junho com a qual suspendeu a importação de peles cruas e tratadas de vaca, búfalo e cabra, por estes animais serem bastante suscetíveis a contrair a doença.

O governo colombiano informou no dia 24 de junho que detectou um foco de febre aftosa em uma fazenda criadora de gado do departamento de Arauca (leste), foco que se dispersou a novas regiões e que obrigou a sacrificar centenas de cabeças de gado com a esperança de recuperar o status de país “livre” desta doença.

Marcados com: , , , , ,
Publicado em Pecuária

Twitter: efeagrobrasil