Meio Ambiente

Amazônia peruana perdeu 31,5 mil hectares por conta do óleo de palma

Território perdido é maior do que o de sete capitais brasileiras

Cachos do dendê, que produzem o óleo. Foto: Pixabay

A palmeira-de-óleo ou dendezeiro foi responsável pelo desmatamento de 31,5 mil hectares da Amazônia peruana desde o ano 2000, o que a torna uma das principais causas da devastação da maior floresta tropical do mundo, segundo investigação publicada hoje pelo Projeto de Monitoramento da Amazônia Andina (Maap).

O território desflorestado é maior do que a área de sete capitais brasileiras. Belo Horizonte e Fortaleza, com cerca de 31,3 mil hectares, são as que mais se aproximam.

A área desmatada corresponde a cerca de 36% de todo o território de cultivo da palmeira-de-óleo no Peru, que é de 86,6 mil hectares. O desflorestamento da floresta está concentrado no centro e no nordeste do país.

O Maap manifestou também sua preocupação ante o anúncio da Junpalma, que representa a indústria do setor, que tem a intenção de expandir a área cultivada para 250 mil hectares, a fim de produzir óleo suficiente para abastecer todo o mercado nacional.