EMPRESAS

Após autorização nos EUA, Bayer prevê fechar aquisição da Monsanto em breve

A Bayer já tem quase todas as autorizações necessárias para concretizar a fusão com a Monsanto e prevê receber em pouco tempo as que faltam

(Foto: Bayer/Reprodução)

O grupo farmacêutico e químico alemão Bayer prevê fechar em breve a aquisição da Monsanto, uma operação avaliada em cerca de US$ 66 bilhões e já autorizada pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Conforme o grupo alemão informou nesta terça-feira, o Departamento de Justiça dos EUA aprovou a aquisição de Monsanto com algumas condições.

“Com a autorização do Departamento de Justiça estamos quase no objetivo de nos tornarmos uma empresa líder na economia agrícola”, disse o presidente da Bayer, Werner Baumann.

A Bayer já tem quase todas as autorizações necessárias para concretizar a fusão com a Monsanto e prevê receber em pouco tempo as que faltam.

O Departamento de Justiça aprovou a integração da Monsanto uma vez que a BASF tenha adquirido alguns negócios da Bayer, o que pode ocorrer em dois meses.

Será preciso que o grupo alemão se desfaça de negócios agrícolas no valor de US$ 9 bilhões. Trata-se do maior acordo antimonopólio de desinvestimento já feito nos EUA.

Em virtude desse acordo, a Bayer venderá a parte do seu negócio agrícola que atualmente concorre com a Monsanto à empresa química alemã BASF por US$ 9 bilhões, uma venda que “resolverá totalmente todas as preocupações de concorrência horizontal e vertical”.

O governo de Donald Trump especificou que a Bayer deve vender à BASF os seus negócios de algodão, canola, soja e sementes de hortaliças, assim como o de herbicidas Bayer Liberty, que compete diretamente com os pesticidas Roundup da Monsanto.

O acordo também obriga o grupo alemão, que há dois anos apresentou a primeira oferta pela Monsanto, a se desfazer da propriedade intelectual e de projetos de pesquisa e desenvolvimento, além do incipiente negócio de agricultura digital.

Tudo isso para “garantir que a BASF tenha os mesmos incentivos de inovação, capacidades e magnitude que a Bayer teria como um competidor independente”.

“Como resultado, os agricultores e consumidores americanos continuarão a se beneficiar da concorrência nessa indústria”, afirmou o Departamento de Justiça. O acordo está agora pendente de aprovação da Justiça americano.

Marcados com: , ,
Publicado em Economia

Twitter: efeagrobrasil