ECONOMIA

Bolsa de produtos agrícolas lança novos indicadores de preços para mercado físico

Além do algodão, agora a bolsa também opera com arroz, café, feijão, milho, soja e trigo; os números serão divulgados sempre às 17h

EFE/Sebastião Moreira

A Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM), associação sem fins lucrativos que opera no mercado físico – ou seja, quando há negociação de commodities envolvendo entrega do produto -, anunciou hoje (19) o lançamento de indicadores para novos produtos.

Além do algodão, principal mercadoria negociada pela BBM, agora a instituição também opera com arroz, café, feijão, milho, soja e trigo; a Bolsa registra contratos de compra e venda desses produtos, lucrando com o serviço.

Diferentemente da B3 (Antiga Bovespa, a bolsa de valores oficial do Brasil), que é uma sociedade anônima que trabalha principalmente com negociações sobre a expectativa de preços no futuro e com maior regulação governamental, a BBM atua com operações mercantis, sendo compostas por corretoras de produtos que intermedeiam a negociação.

O valor dos indicadores será formado a partir das informações de transações realizadas por, atualmente, 50 de 147 das corretoras de produtos associadas – o número das fornecedoras de informação, porém, tende a crescer.

“A metodologia que nós utilizamos é pura e simplesmente coletar as informações dos negócios efetivamente realizados, fornecidos por nossas corretoras”, explica Cesar Henrique Costa, diretor da BBM.

Os dados serão coletados diariamente, das 10h às 15h, nas principais regiões produtoras e será feita uma primeira média dos valores; em seguida, exclui-se os valores que estiverem mais de 10% acima ou abaixo e então é feita uma nova média, que é indicador de preço a ser divulgado diariamente às 17h.

“O nosso índice é muito mais ágil para refletir qual é a mudança de mercado. Se a informação chega de manhã e o resultado é publicado à tarde, o indicador é quanto vale o mercado naquele dia”, avalia João Paulo de Azevedo Lefevre, presidente do Conselho de Administração da BBM.

Twitter: efeagrobrasil