PESTE SUÍNA

China reconhece que surto de peste suína africana é “muito grave”

O porco é uma das principais fontes de alimentação da China, que se situa como principal produtor e consumidor mundial da carne deste animal

EFE/ Arquivo

A China reconheceu que a situação de prevenção e controle do surto de peste suína africana é “muito grave”, após se propagar a 17 províncias e fazer com que centenas de milhares de porcos infectados tivessem que ser sacrificados, informou nesta quinta-feira o portal de informação econômica Caixin.

“A epidemia tem se estendido a 17 províncias e chegou às vastas áreas de criação de porco na área interior da China meridional”, indicou um comunicado divulgado ontem à noite na página oficial do Ministério de Agricultura e Assuntos Rurais chinês.

O documento, assinado também pelos ministérios de Transporte e Segurança Pública, explica que o resultado das investigações aponta para o transporte de animais entre províncias como causador da expansão da doença, e pede às autoridades locais que reforcem a supervisão dos envios interprovinciais de porcos para evitar que o vírus continue se propagando.

Além disso, afirma que serão estabelecidos pontos de controle para “inspecionar de maneira estrita” todos os veículos que transportem animais vivos, com o objetivo de acabar com a “distribuição ilegal“.

“Os departamentos de Pecuária e Veterinária devem reforçar a investigação e os castigos sobre atos ilegais como o transporte de porcos sem certificado de quarentena (…) e romper decididamente a rede do tráfico ilegal”, acrescentaram os ministérios.

A peste suína africana provoca alta mortalidade entre porcos e javalis – a taxa pode alcançar 100%, segundo a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) -, mas é inofensiva para humanos e outros animais. É uma doença hemorrágica altamente contagiosa que pode causar a morte entre dois e dez dias após ter sido contraída.

O porco é uma das principais fontes de alimentação da China, que se situa como principal produtor e consumidor mundial da carne deste animal.

Marcados com: , ,
Publicado em Pecuária

Twitter: efeagrobrasil