COMBUSTÍVEL

Conheça os 5 maiores impactos agrícolas causados pelo aumento do diesel

Com a medida, o EFEAgro conversou com especialistas do setor para entender quais serão os principais impactos diretos ao agronegócio brasileiro com o reajuste.

Foto: EFE/Paulo Fonseca

Nesta sexta-feira (31), o preço médio do óleo diesel nas refinarias da Petrobras em todo o país aumentou 13,03% e com isso o diesel passou de R$ 2,0316 para R$ 2,2964, primeiro reajuste derivado do acordo com os caminhoneiros durante a greve do setor, em junho.

No período, o governo congelou o preço do produto nas refinarias em R$ 2,0316 por litro, medida aceita para determinar o fim da greve.

A nova tabela, que passa a valer a partir desta sexta e implicará nos custos do combustível nas bombas, se firma um um dia após a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) ter anunciado os preços de referência para a comercialização do diesel nas diversas regiões do país.

O maior preço praticado para o óleo diesel será o da região Centro-Oeste, onde o produto passará a ser vendido de R$ 2,1055 para R$ R$ 2,4094, alta de mais de 14%. Segundo a ANP, “os novos valores refletem os aumentos dos preços internacionais do diesel e do câmbio no último mês”.

Com a medida, o EFEAgro conversou com especialistas do setor para entender quais serão os principais impactos diretos ao agronegócio brasileiro com o reajuste. Listamos os cinco maiores:

1) Aumento direto no custo da produção agrícola, já que o transporte de sementes, fertilizantes e o próprio combustível são afetados;

2) Acelera-se o reajuste no preço dos insumos agrícolas, especialmente pelo valor do frete do transporte mais caro e valor do dólar;

3) Produtores não capitalizados tentarão correr atrás de agroquímicos de aplicação de curto prazo direto nas distribuidoras para tentar baixar o custo de produção, estocando mais insumos em suas propriedades;

4) Aumento na estocagem de cultivos para tentar “pegar um preço melhor no futuro” e conter os gastos de escoamento;

5) Próxima safra de soja deve ter preços elevados na saca, já que o agricultor está se apressando e vai esperar patamares que oscilem entre R$ 78 a R$ 84 por saca/60t.

A média de preço da saca costuma ser R$ 74. Esse aumento vai prejudicar empresas que venderam a longo prazo, pois com a ré nos custos de produção, o financiamento da colheita (jan-fev 19) atrasa e o produtor começa a pagar os investimentos feitos apenas em maio de 2019.

Publicado em Agricultura     Economia

Twitter: efeagrobrasil