Frango Exportações

Em meio à crise sanitária, Brasil arrecada 12% a menos com carne de frango no 1º trimestre

País perdeu mais de US$ 200 milhões em comparação ao mesmo período do ano passado

EFE/ Patrick Pleul

A receita proporcionada pela exportação da carne de frango, por parte do Brasil, alcançou US$ 1,6 bilhão, número 11,9% inferior aos US$ 1,82 bilhão registrados nos três primeiros meses do ano passado. Contando com os processados, o país vendeu 1.017.000 toneladas, queda de 5,6% em relação ao mesmo período de 2017. Os dados são da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

“O ano era promissor para o setor, mas a soma entre custos de produção em elevação e as suspensões de plantas pelo próprio Brasil para a União Europeia impactou negativamente o saldo do trimestre.  Em março, as vendas de carnes salgadas, principais produtos importados pelos europeus, registraram perdas próximas de 50% em volumes”, analisa Francisco Turra, presidente-executivo da ABPA.

De acordo com o presidente da ABPA, o setor tem grande expectativa com a retomada das exportações de plantas suspensas de empresas do setor pelo Ministério da Agricultura brasileiro para embarques à União Europeia, o que deve reparar impactos causados pela forte retração nas exportações para o bloco.

A proibição se deu em meio à crise que atingiu o setor, através das denúncias da Operação Carne Fraca, que envolveu grandes empresas, como a BRF, em um grande escândalo sanitário.

“A situação toda se refere a critérios de classificação de produtos, não de riscos ao consumidor. São empregos em risco, em um momento fundamental para a retomada econômica do País. Por outro lado, ilegalidades devem ser combatidas, mas podemos pagar caro por decisões drásticas”, analisa Turra.

As vendas de carne suína in natura totalizaram 48,3 mil toneladas em março, volume 11,9% inferior às 54,8 mil toneladas registradas no mesmo período de 2017.  Em receita, a retração foi de 26,8%, com US$ 101 milhões no terceiro mês deste ano, contra US$ 138,3 milhões em março do ano passado.

Publicado em Economia     Pecuária

Twitter: efeagrobrasil