Pecuária

Melhorar a produtividade do gado reduz impacto ambiental, dizem especialistas

Na América Latina, um dos principais desafios está ligado aos entornos da pecuária, como o manejo do solo

Foto: EFE/Fernando Bizerra Jr

A melhora na produtividade do gado contribui para a redução do impacto da pecuária sobre o meio ambiente. Essa foi a conclusão de especialistas durante o congresso “Gado sustentável e sua relação com o meio”, realizado no Paraguai.

O representante do programa das Nações Unidas para o meio ambiente, José Carlos Fernández, disse que melhorar a eficiência da produção de alimentos provindos da atividade pecuária “pode reduzir as emissões de gases do efeitos estufa”.

Para ele, é necessário “modificar as práticas de manejo do gado”, de modo que “os produtores de determinada região e clima adotem as práticas” de seus conterrâneos com mais êxito na redução de impactos ambientais.

Fernández explicou que 14,5% das emissões de gases do efeito estufa em todo o mundo “provém da pecuária”, sendo que dois terços dessa quantidade são responsabilidade do gado bovino.

Além disso, indicou que 9% dessas emissões “estão associadas à mudança no uso do solo” para pastagem, que “normalmente são mais altas na América Latina”, o que chama a atenção para a “interação da pecuária com seus entornos” na região.

Segundo dados da FAO, uma evolução produtiva reduziria as emissões de gases do efeito estufa “entre 20% e 30%”. Por outro lado, a América Latina e o Caribe possuem “um potencial de captura de carbono de 30%”, de modo que a pecuária sustentável reduziria consideravelmente os efeitos das mudanças climáticas.

Já o representante de Pecuária Sustentável da ONU, Eduardo Arce, indicou que a sustentabilidade se baseia na melhora da eficiência produtiva e de toda a cadeia de produtos pecuários, na redução de emissões e no fomento da “bioeconomia circular”, que corresponde ao aproveitamento de tudo, sem desperdícios.

Arce detalhou que a eficiência evolui com a “aplicação de tecnologia” que aumentem a produção “por animal e por unidade de terra”, como a utilização de raças mais adequadas para cada clima. Por outro lado, melhorar o transporte e a conservação dos produtos e alimentos torna eficiente “toda a cadeia produtiva”.

O representante da ONU ainda indicou que na América Latina “nenhum país possui uma pecuária totalmente sustentável”, embora “boa parte deles tenham políticas e incentivos à prática”, destacando importantes progressos no Brasil e no Uruguai.

Marcados com: ,
Publicado em Pecuária

Twitter: efeagrobrasil