ALIMENTOS

Preços dos alimentos subiram 0,7 % na América Latina em abril, segundo FAO

Na América Central e México, as taxas de inflação alimentícia de abril não superaram 0,1%; no Sul, o preço da cesta básica chegou a crescer até 1,3%

Foto: IDEME

O índice de preços dos alimentos subiu 0,7% na América Latina no último mês de abril, segundo um relatório divulgado na última quinta-feira (02), em Santiago, pelo Escritório Regional para a América Latina e o Caribe da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Nos países das América Central e México, as taxas de inflação alimentícia do quarto mês do ano não superaram 0,1%; El Salvador, Nicarágua, México e República Dominicana apresentaram diminuições no preço de sua cesta básica e na Costa Rica, Guatemala e Panamá, o aumento não passou de 0,1%.

Segundo o relatório divulgado pelo organismo dependente das Nações Unidas, os produtos que tiveram maior infalência na diminuição dos preços nesta parte do continente foram o ovo, na Nicarágua e Costa Rica. Neste último, os legumes também influenciaram.

Nas nações da América do Sul, as variações registradas no custo da cesta básica tiverem um aumento de até 1,3%. A Colômbia registrou a maior taxa de inflação alimentícia (1,3%) e só o Paraguai teve recuo do preço: -1,2 %.

Além disso, no Chile, Colômbia, Peru e Uruguai, a taxa de inflação alimentícia foi positiva e menor em relação ao mês de março. Por sua parte, Equador manteve a mesma taxa que o mês anterior; Bolívia e Brasil, com números positivos de inflação alimentícia para abril, mostraram um aumento no comparativo com março.

Na América do Sul, em relação às cestas básicas de alimentos, cujas variações têm um maior impacto nos mais pobres, Colômbia, Brasil e Equador mostraram novamente altas, enquanto Chile registrou diminuição.

Os produtos que maior alteraram o preço dos alimentos no sul do continente foram a alta do preço do tomate na Bolívia, o aumento do valor do ovo no Uruguai e a diminuição do preço da batata no Chile, Bolívia e Uruguai.

Twitter: efeagrobrasil